Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
Ultimas Atualizações
GEOEDUCAÇÃO  (10-01-2017)
GEOPOLÍTICA  (10-01-2017)
PROJETO CAVERNA   (10-01-2017)




ONLINE
1





Partilhe este Site...

 

 

 

 

 

 

 

 Logomarca Bonito HI Hostel - Albergue da Juventude

  

     

 

 

 

 

 

 

 

 

   

PENSAMENTOS GEOGRÁFICOS do PIBIDIANO DE GEOGRAFIA JÚNIOR CESAR 

 

"Pra você que faz cara feia quando eu digo que faço GEOGRAFIA ou solta um "Hum, que legal" extremamente irônico...

Só tenho a dizer que a amplicidade dessa ciência me torna a cada dia uma pessoa melhor e aumenta ainda mais o meu amor pelas diversas Geografias que rodeiam a todos. ...   Minha graduação me permite ousar a te falar um pouco sobre o universo ou da formação da Terra. Posso te explanar sobre a dicotomia do urbano X rural ou te fazer me odiar falando de política.   Posso ainda demonstrar como a dispersão dos biomas estão intimamente ligados à composição do solo, ao clima e dentre outros fatores.   Posso te ensinar a diferença de clima e tempo e te fazer perceber o quanto é engraçado quando você diz "Como está o clima hoje?" e te aborrecer falando de economia ou dos males do capitalismo.   Posso mostrar rochas, minerais e o dinamismo das formas e estruturas do relevo.   Posso ainda, descobrir contigo outras cidades, estados, países e continentes, e outros planetas também!   Conto histórias também, do PR, do Brasil e do mundo e quebro a cabeça com problemas matemáticos da nossa amiga Cartografia.   Questiono os problemas da educação geográfica e modifico meu modo de ensinar, para despertar a busca sagaz em aprender Geografia.   São tantas ciências que a Geografia engloba, que posso ter me esquecido de algo que está ao meu domínio. Mas é isso, não existe uma ciência melhor do que a outra, mas se existisse, a Geografia seria uma forte candidata!   A Geografia mexeu comigo e me fez amá-la incondicionalmente.   Enfim, a Geografia é uma mãe que te acolhe e te faz refletir, questionar e propor soluções para o mundo. Ela está em toda parte, até mesmo dentro de você."

 

 

 

 

 

 

 


UMA OUTRA EDUCAÇÃO É POSSÍVEL?



 


 

  

 

 

 

O cérebro na sala de aula

Como os alunos aprendem, segundo a neurociência, e como os professores podem tirar proveito desse conhecimento para criar melhores condições de aprendizado em sala de aula

 

 

 

Mesmo sem ter plena consciência disso, os professores operam incontáveis transformações no cérebro de seus alunos. Ao dar uma aula e estimular as crianças e jovens a aprender um novo conteúdo, ele ‘força’ novas conexões entre os neurônios e ainda provoca mudanças no padrão de liberação de neurotransmissores nas sinapses. Sem essas alterações, que acontecem tanto na estrutura física do cérebro quanto em seu funcionamento químico, não há aprendizagem, como explica a neurociência, campo do saber que está se aproximando cada vez mais da área da educação e cujas descobertas podem ser de grande auxílio para os docentes.

As modificações cerebrais provocadas pelo aprendizado podem ser profundas e permanentes, ou podem se apagar com o tempo. Fernando Mazzilli Louzada, professor do Departamento de Fisiologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), tem uma boa metáfora para ajudar os leigos a entender o processo. O truque é associá-lo à abertura de trilhas numa floresta. Quanto mais vezes se percorre a trilha, mais larga ela fica, mais fácil de ser encontrada e, assim, mais rápido o caminho por ela. “Mas se você não usa a trilha, ela vai desaparecendo, sendo tomada de novo pela mata”, explica. “Custa muito caro para o cérebro, em termos de energia, manter uma trilha aberta. Não é possível manter todas. Ficam só as utilizadas”, completa.

A relevância é, portanto, a grande diferença entre o aprendizado de fato e o que logo se esquece – ou algo que nunca se chega a aprender de verdade. Isto porque, dentro do cérebro, tudo o que não é desenvolvido se perde. Entender o processo de perda como algo natural e comum a todos também ajuda a ensinar melhor.

Mas do que depende o estabelecimento de novas conexões entre os neurônios e a criação de novas trilhas? Como os professores podem garantir que seus alunos vão aprender a matéria ensinada? A resposta para essa pergunta envolve muitas variáveis. Regina Migliori, pesquisadora no Centro de Diagnóstico Neuropsicológico da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), afirma que a estrutura cerebral das pessoas tem potencial para assimilar praticamente de tudo. Porém, essa estrutura é esculpida pelas experiências e usos de cada um.

#R#

É importante entender que, assim como ninguém nasce com o nariz, a boca ou as mãos exatamente iguais aos de outra pessoa, ninguém nasce com o cérebro exatamente igual ao de outro. Não somos tábulas rasas como pretendia Aristóteles – e as diferenças na forma de aprender devem ser reconhecidas e respeitadas dentro da escola. “O seu cérebro é único. Há diferenças na estrutura biológica e tudo bem, porque todos têm potencial enorme. Uma pessoa de 1,70 m de altura nunca será um jogador de basquete profissional, mas ainda assim ela pode ser uma boa jogadora”, compara Louzada.

A capacidade do cérebro de se reorganizar, a chamada neuroplasticidade, é mantida ao longo de toda a vida, mas com o avanço da idade, ela diminui. Por isso, as crianças têm possibilidades maiores de aprendizagem quando comparadas com os idosos, embora a idade jamais deva ser vista como um obstáculo intransponível.

Mas neuroplasticidade não é tudo. Quando se discute a aquisição de língua estrangeira, é comum ouvir que as crianças têm condições de fazer isso mais facilmente. Essa suposição, contudo, não é necessariamente verdadeira. “O adulto já traz vários conceitos consolidados ligados à gramática, à estrutura da língua, etc. Isso facilita”, explica a médica Leonor Bezerra Guerra, coordenadora do projeto NeuroEduca da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). A vantagem das crianças pequenas é a capacidade que elas têm de distinguir, a priori, sons de todas as línguas, aptidão que se perde com o tempo, com a incorporação da língua materna pelo cérebro.

Também existem aprendizados que dependem de certo tempo de amadurecimento das redes neurais. Áreas que ainda não têm mielina, uma substância lipídica que rodeia as fibras nervosas para facilitar a transmissão dos impulsos, não são ativadas adequadamente antes do ‘amadurecimento’. “As áreas mielinizadas desde cedo são as sensório-motoras, o que confirma as ideais de Piaget. Outras começam a ser mielinizadas mais tarde”, explica o professor da UFPR. As áreas frontais do cérebro, responsáveis por planejar, avaliar o presente e o futuro, por exemplo, só ficam completamente mielinizadas por volta dos 20 anos. Segundo o neurocientista, hoje é comum exigir de crianças comportamentos incompatíveis com o amadurecimento do cérebro delas. “Não adianta querer estimular uma criança de 8 ou 9 anos a estudar falando do futuro profissional dela”, exemplifica. Nessa idade, o planejamento requer objetivos mais imediatos.

Outra prática escolar questionável sob o ponto de vista da neurociência é ensinar crianças a escrever na pré-escola. “As estruturas de simetria só serão totalmente desenvolvidas por volta dos 7 anos. Antes disso, é normal a criança espelhar as letras. O problema é nosso, que iniciamos o ensino fundamental aos 6 anos, não da criança”, afirma a pesquisadora em desenvolvimento humano Elvira Souza Lima, que tem formação em neurociências, psicologia, antropologia e música.

 

Cultura x biologia

Além da estrutura biológica, é preciso considerar os aspectos externos. Nascemos com estrutura cerebral especializada para falar e para contar até três – ler, escrever e contar acima de três são considerados, portanto, aprendizados culturais. “Tem coisas que estão na biologia da espécie: existe uma genética para falar. Mas não para ler e escrever. A escrita é uma invenção, é um produto cultural criado pelo ser humano. Não há no cérebro uma área destinada a aprender a ler ou a escrever, como acontece com a fala. O cérebro tem de se reorganizar, tem que usar outras áreas”, explica Elvira.

Isso implica que a criança precisa ser ensinada, para que seja capaz de formar suas redes neurais. Além da plasticidade para se reorganizar, o cérebro também conta com muitas entradas de informações. As crianças aprendem pelos estímulos recebidos da visão e da audição, mas também por outros sentidos, sobretudo pelo tato e pelo movimento. Culturalmente, porém, os sentidos da visão e da audição sobressaíram aos demais. O que muitas vezes falta na escola é explorar as outras possibilidades de aprendizado. “Elas podem aprender muito melhor as letras do alfabeto e os algarismos se também manipularem letras de plástico ou madeira em vez de apenas “verem” as imagens em folhas de papel e lousas”, diz a pesquisadora.

Os estímulos não são exclusivamente externos, alerta Leonor. “Se quando eu vejo uma pessoa sinto uma contração desagradável do meu intestino, o cérebro vai processar isso e a visão daquela pessoa sempre vai me trazer uma sensação desagradável”, exemplifica. O mesmo raciocínio vale para o que se passa em sala de aula. Dessa forma, se um estudante tiver experiências ruins com a matemática, como dificuldade para compreender a matéria, toda vez que entrar em contato com a disciplina seu cérebro vai ativar a lembrança do mal-estar. E, é claro, ele fará o máximo possível para ficar bem longe daquilo que lhe causa incômodo. Sendo assim, para favorecer o processo de ensino-aprendizagem, é importante proporcionar desde cedo às crianças experiências agradáveis em sala de aula.

Como captamos muito mais detalhes da situação em que ocorre o ensino do que costumamos imaginar, não é só o conteúdo que importa. A forma também tem grande interferência. “Um professor pode dar um ditado com uma expressão facial feliz, uma postura corporal animada, um tom de voz agradável. Tudo isso faz diferença. O estímulo ao aprendizado diz respeito a toda interação que mantém com o aprendiz, não se resume só à estratégia pedagógica propriamente dita”, explica a médica. Sobre esse aspecto, os especialistas afirmam que a motivação tem de ser na medida certa. Ao se deparar com um grande desafio, o estudante pode se desanimar no processo se não sentir que está evoluindo. Para que não desista do problema apresentado, os educadores podem criar uma sucessão de desafios menores, sem diminuir a meta final. Outra estratégia eficaz é fazer o aluno perceber que a energia gasta ao estudar é recompensadora e o torne capaz de fazer, perceber e pensar de forma diferente. Vem daí a estratégia de contextualizar o tema estudado na realidade cotidiana. Mas isso não implica uma visão utilitarista do ensino. “Tem gente que vai estudar filosofia porque o simples prazer de pensar lhe dá prazer. Mas é mais fácil que o aluno se sinta estimulado a aprender inglês se ele perceber que, com aquele conhecimento, será capaz de jogar um game novo na internet, por exemplo”, diz Leonor.

A emoção é outro elemento importante para reforçar os caminhos neurais. A experiência neutra não tem impacto no cérebro. Segundo Louzada, em termos neurais, o cérebro evoluiu para preservar conteúdos que tenham carga emocional. Quanto mais vezes a amígdala (porção do cérebro associada às emoções) for ativada em uma experiência, maiores são as chances de aquele evento ser memorizado.

Ao longo do século 20, esteve em vigência um modelo de educação e trabalho que tentou separar emoções e razão, corpo e mente. “Criou- se um mito da competência, de que as pessoas devem deixar seus problemas pessoais do lado de fora da porta da escola ou do escritório”, conta Regina. Essa visão do ser humano fragmentado ainda persiste, o que dificulta a promoção do aprendizado escolar. “O cérebro é sempre ativado de forma sistêmica. É ilusório acreditar que um aluno seja capaz de deixar suas angústias de lado para apenas ‘pensar'”, afirma. E é contraproducente pedir que ele faça isso.

Conhecimento em espiral

A economia de energia está na raiz de uma reclamação clássica dos professores: a situação dos alunos que ‘esquecem’ todo o conteúdo aprendido depois das férias ou mesmo de um final de semana. Na opinião da coordenadora do projeto NeuroEduca Leonor Bezerra Guerra, o problema não é do aluno, pois o conteúdo estudado, muitas vezes, só é cobrado no dia da prova, o que faz com que ele descarte aquilo que assimilou para investir suas energias nas trilhas que serão usadas mais tarde. Para formar uma memória de longo prazo, é preciso reexposição. “A reorganização do sistema nervoso depende de reações químicas, que não se dão de um dia para outro. E esse tempo tem de ser respeitado. E nem todos os tempos são iguais. Um cérebro não é igual ao outro. Da mesma forma, eles também têm bagagens diferentes. Alguns alunos já têm memórias em relação ao assunto, outros não”, explica a especialista.

A bagagem é importante para que haja associações. Como explica Elvira Souza Lima, “ninguém pensa no vazio ou com as informações que estão no Google”. Só é possível usar como instrumento de pensamento o que temos de informação no cérebro. A pesquisadora acredita que hoje existe um tabu exagerado contra o decorar. “Para tocar bem ao piano, o músico decora a partitura. Decorar é bom, o problema é cobrar só isso do aluno”, aponta. Como tudo no cérebro, a capacidade de memorizar ou raciocinar vai sendo dada de acordo com a demanda. Para que as crianças aprendam a pensar por contra própria, elas têm de ser estimuladas a construir redes neurais associativas. “Deve-se propor atividades que integrem estímulos. O pensamento é a capacidade de integrar diferentes redes neurais”, diz Louzada. Quanto mais se demandar apenas memorização de conteúdos, mais o cérebro despenderá energia para fazer esse tipo de atividade, deixando outras coisas de lado. Quanto mais energia o cérebro investir em nomes, locais, datas, menos tempo e espaço para os aprendizados associados, as ditas habilidades operatórias.

O caminho do meio parece ser a melhor via. Embora pareça haver uma oposição entre memória e raciocínio, que seriam respectivamente criar um novo registro e fazer ligações entre os registros, eles podem ser complementares. Para responder a uma questão de prova, o aluno resgata informações antigas, armazena-as na memória de curto prazo, e então as associa com outras para dar sentido.

Ainda que valorizado no discurso, o desenvolvimento da capacidade de pensar facilmente acaba deixado em segundo plano na escola. Quem mais fala é o professor, mas o aluno é que tem de se transformar e exercitar sua função mental. A estratégia recomendada é que o professor apresente o conteúdo e provoque os alunos a pensar sobre aquilo. “Na escola, o cérebro que mais trabalha é o do professor. Para ser mais produtivo, ele deveria usar o tempo em sala para deixar os alunos discutirem, argumentarem”, aponta Leonor.

Pesquisas recentes têm indicado que estudar em duplas ou grupos é mais eficiente, porque os estudantes são forçados a conversar sobre o material. Isso porque a memória nunca é única. Ao se lembrar do que uma pessoa disse, se lembra também da voz, do rosto, da postura, do cheiro, do local onde estava e ainda do que sentiu ao ouvir as palavras, do que pensou sobre elas, se concordou, discordou, etc. Vários grupos de neurônios acabam ativados ao mesmo tempo. Ao falar e, sobretudo, ao discutir sobre um tema com colegas, novos grupos de neurônios são ativados, para além dos que seriam usados se o aluno simplesmente ouvisse explicações do professor.

Com uma ampla gama de elementos associados, é mais fácil fazer a evocação da memória posteriormente, pois há mais conexões neuronais envolvidas – a trilha na floresta aberta já é bem larga. Portanto, memorizar ajuda a raciocinar. E quanto mais memórias se têm, mais elementos para criar novos raciocínios.

Confirmação

Diferentemente do que muita gente imagina, a neurociência não propõe uma nova pedagogia, nem tampouco pretende transformá-la radicalmente. Pelo contrário, suas descobertas mostram as bases biológicas por trás das ideias de Piaget (1896-1960), Vigotsky (1896-1934) e Wallon (1879-1962), por exemplo, ao esclarecer questões que já haviam sido observadas por estes e outros pensadores e explicar o porquê de problemas identificados no dia a dia nas situações de aprendizagem. “Mas seria interessante se todo aluno de pedagogia estudasse um pouco sobre o funcionamento do cérebro no início do curso. Assim, eles poderiam fazer uma reflexão a cada etapa de como aquela prática ou conceito se processaria no cérebro”, diz a especialista da UFMG.

Entre as polêmicas provocadas pela introdução da neurociência na educação está o uso do método construtivista para a alfabetização. Ele tem sido duramente criticado com base nas descobertas de pesquisas. “Não se pode ser extremista. A discussão é se serve mesmo para todos, ou só para os que têm uma capacidade maior de investigação. Para quem tem uma cognição média, talvez demore mais”, pondera Leonor. Fernando Louzada concorda que a neurociência deva ser encarada mais como uma aliada da pedagogia do que como algo prescritivo. “Existem evidências científicas de que o método fonético é melhor para aprender a ler, porque tem mais lógica com a lógica do cérebro. Mas a contextualização, muito usada por correntes construtivistas, também faz sentido”, pondera.

Limites

Embora cada vez mais as gerações mais novas sejam “multitarefa”, a neurociência comprova que o cérebro só faz bem uma coisa de cada vez. Quanto mais tarefas simultâneas, menor a eficiência. “Por mais que a gente faça as tarefas, o cérebro não processa bem todas. Não sou capaz de me apropriar bem de algo se não houve dedicação”, afirma Leonor. O acúmulo de aprendizados também tem seus limites. “Tem escolas prometendo acesso irrestrito a informações. Isso é impossível”, alerta Louzada.

Muitas escolas infantis também estão privando as crianças do sono para preencher o dia com mais atividades. O problema dessa prática é que ela prejudica uma atividade fundamental para o desenvolvimento cognitivo e que exerce forte influência na consolidação das memórias.

A pressa por iniciar a alfabetização e a introdução de conteúdos deve ser evitada igualmente. A neurociência mostra que, para aprender a reproduzir sons de diferentes línguas, a exposição na primeira infância faz diferença. Mas ninguém precisa aprender vocabulário em língua estrangeira tão cedo, porque esse é um aprendizado que se dará pela experiência, acumulando-se ao longo da vida em qualquer idade. O parâmetro deve ser a necessidade real de cada aprendizado em cada momento. Uma criança criada por uma mãe chinesa, um pai espanhol, numa escola francesa, vai aprender as três línguas porque aquilo faz sentido na vida dela – e mesmo assim, ela vai levar mais tempo para ficar fluente em um idioma, ressalta Leonor. “Se o aprendizado não for importante, ele provavelmente não será bemsucedido. O cérebro não é uma máquina de fazer tudo. Ele tem um limite, dado pela necessidade”, afirma.

Estímulos demais podem até atrapalhar o aprendizado. O estresse leva à liberação de cortisol, substância que dificulta a reorganização cerebral. “Ele dá sensação de imobilização, pode levar à tristeza e à depressão. Talvez por estarmos exigindo tanto do nosso cérebro é que cada vez mais tenhamos de enfrentar problemas como depressão, déficit de atenção, hiperatividade”, conclui Leonor.

A escola tem ainda uma missão para além de desenvolver o cérebro dos alunos: ela precisa promover o desenvolvimento humano, lembra Regina. Ela precisa fazer com que potenciais neurológicos se transformem em ações produtivas, que comportamentos aprendidos se tornem atitudes responsáveis. A ética não está ligada ao número de sinapses cerebrais.

 A inteligência não é inata

A ideia de segmentar os alunos por nível de desempenho, muito comum nos Estados Unidos, mina as possibilidades de desenvolvimento daqueles que estão classificados nos níveis mais baixos. Há relatos feitos a partir de observações que apontam que os professores tendem a ser mais condescendentes com esse grupo de estudantes, subestimando-os e dando-lhes menos oportunidades para se desenvolver. Essa prática traz em seu bojo a noção de que a inteligência é uma habilidade inata ou desenvolvida até certa idade, geralmente a infância. Muitos alunos também carregam essa crença. No questionário do Pisa, alunos de diversos países, incluindo o Brasil, declararam que mesmo se eles se esforçassem muito, não seriam capazes de tirar boas notas em matemática. A capacidade de resolver problemas e equações complicadas seria algo reservado para alguns poucos alunos.

Embora disseminada, essa teoria é considerada ultrapassada desde que os neurologistas chegaram ao conceito da plasticidade sináptica, que é a capacidade do cérebro de estabelecer novas conexões entre os neurônios durante a vida inteira. Isso quer dizer que as pessoas sempre podem aprender coisas novas. “O desenvolvimento humano não depende de raça ou de condição socioeconômica. Todos podem aprender muito, mas só se tiverem oportunidade de serem ensinados e de praticar”, diz a pesquisadora Elvira Souza Lima.

Além disso, não há apenas um tipo de inteligência, mas múltiplos e todos devem ser estimulados, como afirma Regina Migliori, pesquisadora no Centro de Diagnóstico Neuropsicológico da Unifesp. “Não é só a capacidade de raciocínio ou memorização que conta. Esse conceito único de inteligência já foi amplamente revisto”, confirma.

 

 

Fonte: http://www.revistaeducacao.com.br/o-cerebro-na-sala-de-aula/

 

 

 

 

Nova lei pode ameaçar florestas, rios e cachoeiras

típicos do Paraná

A Assembleia Legislativa do Paraná vai apreciar um projeto que reduz para um terço a área de proteção ambiental da Escarpa Devoniana, com 260 quilômetros de extensão

ALEXANDRE MANSUR
02/01/2017 - 09h05 - Atualizado 02/01/2017 15h06

 

Cânion do Guartelá no Paraná. Ele é um dos trechos mais lindos da Escarpa Devoniana (Foto: Divulgaçao - Observatório de Justiça e Conservação)

 

O estado do Paraná é cortado praticamente em toda a sua extensão por um gigantesco degrau. É uma formação geológica única. Uma escarpa de 260 quilômetros que separa o Primeiro e o Segundo Planaltos do Paraná. Com desfiladeiros, cânions de rios caudalosos e acidentados, cachoeiras e penhascos, a escarpa criou vários lugares de beleza ímpar, muitos deles transformados em atrações turísticas. Ela passa por 12 municípios do estado e engloba importantes sítios naturais, como o Buraco do Padre e o Cânion do Guartelá. Essa formação também tem valor ecológico por estar associada aos campos naturais e às florestas com araucárias, os dois biomas mais ameaçados do país. Agora, essa formação geológica e o ecossistema em torno dela correm perigo. No dia 13 de dezembro, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Paraná aprovou um parecer técnico sobre o Projeto de Lei nº 527/2016, que reduz para menos de um terço o perímetro da Área de Proteção Ambiental (APA) da Escarpa Devoniana. Para o geólogo Gilson Burigo Guimarães, da Universidade Estadual de Ponta Grossa, essa lei seria um retrocesso para a conservação. "O projeto desfigura e inviabiliza a existência de uma unidade de conservação de uso sustentável", diz em entrevista a ÉPOCA.

 

ÉPOCA - Qual é o valor ecológico da escarpa?


Gilson - Trata-se de uma região de grande beleza natural, com paredões de rocha por vezes com mais de 200 metros de desnível, grande número de rios com corredeiras ou mesmo expressivas cachoeiras, além de vales profundos na forma de cânions. No “degrau de cima”, ou Segundo Planalto Paranaense, desenvolveu-se uma região de solos arenosos, vegetação campestre e águas abundantes, conhecida como Campos Gerais. Esse contexto de disponibilidade de água e alimento, mais a facilidade de deslocamento, facilitou uma rota comercial com tropas de mulas nos séculos XVIII e XIX, a Rota dos Tropeiros, do Rio Grande do Sul a São Paulo. Várias cidades e a própria identidade cultural da região se estruturaram a partir desse ciclo econômico. Essas mesmas condições controlaram a presença de condições ecológicas particulares, tanto para a flora [principalmente campos naturais, floresta com araucárias e cerrado], como para a fauna associada [aves diversas ou mamíferos como veados, lobo-guará, tamanduá-bandeira e suçuarana]. A posição estratégica da região e seus atrativos naturais e culturais têm alimentado uma interessante vocação turística. A área é considerada como prioritária para conservação pelo Ministério do Meio Ambiente. Por esse motivo, criou-se, em 2006, o Parque Nacional dos Campos Gerais, o qual se superpõe parcialmente a setores da APA da Escarpa Devoniana nos municípios de Ponta Grossa, Carambeí e Castro. Diversos serviços ambientais são executados pelos remanescentes de campos naturais [secos e úmidos] e cerrado, matas ripárias e floresta com araucária. A integridade dos espaços naturais também inibe a ampliação de processos erosivos e preserva os mananciais hídricos [superficiais e subterrâneos]. A existência de contextos muito particulares, como de furnas e outras cavidades subterrâneas, leva ao desenvolvimento de condições ecológicas especiais, com elevado potencial para a existência de espécies endêmicas. Inclusive já há registros de espécies troglóbias [animais que se especializaram para a vida exclusiva em cavernas] na APA da Escarpa Devoniana. Apesar de existirem outras unidades de conservação de proteção integral [por exemplo, parques estaduais de Vila Velha, do Guartelá e do Cerrado), ainda assim a APA tem um papel fundamental, pois permite a conectividade entre os diversos setores dos Campos Gerais.

ÉPOCA - Qual é o valor arqueológico da escarpa e da APA que a protege? 

Gilson - A região da Escarpa Devoniana e dos Campos Gerais é riquíssima em sítios arqueológicos, especialmente abrigos sob rocha, tanto com pinturas rupestres como material lítico, cerâmico e sepultamentos. A proteção de sítios arqueológicos, em princípio, é amparada por legislação federal. De modo concorrente, o zoneamento ecológico econômico destaca a presença desses sítios na APA da Escarpa Devoniana como elementos adicionais para justificar as medidas de proteção. A região funciona como verdadeiro laboratório ao ar livre, o que motiva grupos de estudantes de instituições do ensino básico ao superior, do Paraná ou mesmo de outros estados e do exterior, a visitarem-na assiduamente. Na lista de sítios geológicos e paleontológicos excepcionais do Brasil, nove se encontram no contexto da Escarpa Devoniana e dos Campos Gerais e há potencial para mais.

ÉPOCA - Quais são as ameaças à escarpa?


Gilson - A lentidão no processo de formalização da APA [criação em 1992, plano de manejo em 2004, Conselho Gestor em 2013], junto com uma fiscalização deficiente dos órgãos competentes, tem facilitado que diversas atividades econômicas em desacordo com o zoneamento ecológico econômico avancem sobre a unidade. Nos locais em que as restrições da natureza dos solos [espessura, nutrientes etc.] e da topografia não são severas, a agricultura mecanizada tem avançado, muitas vezes acompanhada pela drenagem de nascentes. Quando essa não encontra condições adequadas, é o plantio extensivo de madeira para as indústrias de papel e celulose que se estabelece. Mais recentemente a mineração tem assumido um papel de destaque como ameaça, em especial para obtenção de areia para a construção civil. Outros problemas são avanço de áreas urbanas e industriais, propostas de novos traçados rodoviários e instalação de aterros.

ÉPOCA -  É necessário proteger as características da escarpa, como a geologia e a vegetação, ao longo de toda a sua extensão?


Gilson - O plano de manejo e seu zoneamento ecológico econômico definem setores com diferentes graus de proteção, levando em conta os atributos da geodiversidade e da biodiversidade. Mas a conectividade de domínios ecológicos, reduzindo uma fragmentação que compromete a viabilidade ecológica de algumas espécies, deve sempre ser uma preocupação dos gestores da unidade. A APA da Escarpa Devoniana tem como substrato geológico dominante as rochas da Formação Furnas, que representa o principal aquífero de boa parte das cidades dos Campos Gerais. A manutenção de índices adequados de vazão, bem como de qualidade das águas, será mais viável com uma política integrada de atenção aplicada à região.

ÉPOCA - O que mudaria exatamente com o Projeto de Lei nº 527/2016?


Gilson - O projeto desfigura e inviabiliza a existência de uma unidade de conservação de uso sustentável. Caso ele seja aprovado, obrigatoriamente um novo plano de manejo precisará ser instituído. Com a expressiva redução da área e a remoção de setores com potencial agrícola, concentrando-se nas proximidades da crista da Escarpa Devoniana, a unidade assumiria um perfil mais adequado a uma unidade de conservação de proteção integral, tal como um parque estadual. Isso levaria obrigatoriamente à desapropriação de propriedades. Haveria também uma redução drástica nos valores de arrecadação de ICMS ecológico, impactando de forma diferenciada cada município com área abrangida pela nova configuração da APA. No mínimo o total global cairia para menos de um terço, já que essa é a redução de área prevista pelo projeto. Um grave efeito colateral da aprovação desse projeto será a consagração de um método ilegítimo, antidemocrático e desprovido de atenção com temas de ordem ambiental e cultural no tratamento das unidades de conservação do Paraná. Um prejuízo elevado aos paranaenses, principalmente em médio e longo prazo.

ÉPOCA - E qual seria o impacto ecológico na prática da lei?


Gilson - Algumas consequências imediatas é que várias atividades hoje proibidas ou limitadas pelo zoneamento ecológico econômico perderiam esse “freio”, intensificando a supressão de áreas com seus atributos naturais. Um domínio particularmente sensível são os campos naturais... Existe uma percepção incorreta de que, não sendo uma região de florestas, não merece proteção. Ou mesmo de que áreas com campos representam trechos com matas suprimidas. Indo além... Uma grande ameaça na região tem sido a introdução de plantio extensivo de pínus nos setores de relevo mais movimentado e/ou com afloramentos rochosos [especialmente junto à escarpa]. Além de afetar uma zona interessantíssima do ponto de vista ecológico [variedades rupícolas; serviços ambientais como a recarga de aquífero etc.] e cênico, traz a realidade da poluição vegetal, pois as sementes do pínus se disseminam com muita facilidade, pelo vento. Amplificando o comprometimento de áreas adjacentes. Não se trata de uma medida meramente burocrática. Ao reduzir significativamente a área, haverá a liberação de ações sem um controle ambiental e cultural mais rígido, em setores que, perante a lei, deveriam receber um tratamento especial. Os autores do projeto demonstram desconhecimento das questões básicas relativas ao enquadramento de uma unidade de conservação. Provavelmente não avaliaram detidamente que o novo recorte que estão propondo praticamente inviabiliza a existência de uma unidade de uso sustentável. Também podem achar que, com a necessidade de um novo plano de manejo, ajustado à nova dimensão da unidade, os setores que eles representam [agronegócio e silvicultura, principalmente] terão influência direta na definição das novas regras.

ÉPOCA - Qual é a chance realista desse projeto de lei ser aprovado?


Gilson - Esse projeto já teve um parecer favorável da Comissão de Constituição e Justiça [CCJ] no último dia 13 de dezembro. Mesmo tendo sido solicitados pareceres de diversos órgãos/instituições, essa comissão decidiu por apreciar a matéria antes de recebê-los. A Assembleia Legislativa está em recesso e o projeto só deverá voltar a tramitar em fevereiro de 2017. De acordo com um deputado que se opõe a esse projeto, ao menos outras três comissões deverão analisá-lo [Cultura; Ecologia e Meio Ambiente; Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural]. Ainda segundo ele, os proponentes prometeram que haverá uma rodada de audiências públicas para debater o projeto. Mesmo a CCJ já tendo definido seu parecer, ao menos o Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Ponta Grossa e o Ministério Público Estadual prepararam pareceres fortemente contrários ao projeto, apontando suas inconsistências e ilegalidades, enviando-as à Assembleia Legislativa. A outra estratégia tem sido buscar o apoio de diversos interlocutores da sociedade civil e organizada, além do preparo de textos de opinião, encaminhados à imprensa.

ÉPOCA - Qual é o interesse econômico a favor da manutenção da APA? Quem ganha com o uso sustentável dela hoje?


Gilson - Interesses econômicos atrelados a um sentido de justiça social e ambiental estão na base da proposta de manutenção da APA. Benefícios que se estendam a uma parcela mais ampla da sociedade e que não tenham uma visão imediatista. Diferentes modalidades de turismo [rural, ecológico, cultural, geoturismo] e práticas esportivas, junto com atividades agrícolas desenvolvidas em harmonia com a manutenção dos recursos naturais, tais como agricultura orgânica ou mesmo pecuária extensiva, são exemplos de empreendimentos em sintonia com as características dessa região especial. Também a possibilidade de que sistemas naturais possam continuar em operação, garantindo a manutenção de exemplares excepcionais da geodiversidade e biodiversidade brasileira e mesmo as próprias atividades econômicas.

Fonte: http://epoca.globo.com/ciencia-e-meio-ambiente/blog-do-planeta/noticia/2017/01/nova-lei-pode-ameacar-florestas-rios-e-cachoeiras-tipicos-do-parana.html?

 

 

Nenhum texto alternativo automático disponível. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

planeta02

topo